Histórias negras que as cidades escondem

A jornada de Luiz Gama, homem escravizado que conservou no coração a força para lutar contra as injustiças.

| Por Tânia Lins

Revisitando meu arquivo de memórias, lembrei-me do nome da rua em que morei na minha infância até boa parte da juventude, em São Paulo. Aquela casa singela, localizada à Rua Luiz Gama, no bairro da Mooca, acolheu-me desde meu terceiro mês de vida, lá comemorei os primeiros aniversários, e a sensação de estar em um verdadeiro lar se estendeu até a fase adulta.

Quantas vezes li e reli na placa alta, fixada à esquina, Luiz Gama, que nomeava aquela rua localizada em um bairro tradicional de São Paulo. Então, a dúvida se fez presente e, somente anos depois, foi respondida. Quem foi aquele homem?

Luís Gonzaga Pinto da Gama foi um abolicionista, orador, jornalista, escritor brasileiro e o Patrono da Abolição da Escravidão do Brasil. Nascido de mãe negra livre e pai branco, foi contudo feito escravo aos 10 anos, e permaneceu analfabeto até os 17 anos de idade. Nascimento: 21 de junho de 1830, Salvador, Bahia Falecimento: 24 de agosto de 1882, São Paulo, São Paulo Pais: Luísa Mahin Filhos: Benedito Graco Pinto de Gama Formação: Universidade de São Paulo, Faculdade de Direito – Universidade de São Paulo.                                      Crédito: Wikipédia

Hoje, um sentimento de esperança, pautado em demonstrações universais de solidariedade, me impulsiona a falar um pouco sobre um homem que foi escravizado, mas conservou no coração a força para lutar contra as injustiças. Filho de um fidalgo português com uma escrava liberta, foi vendido aos dez anos como escravo pelo próprio pai para pagar dívidas oriundas do jogo. Conseguiu a alforria aos 18 anos, após fugir da casa de seu senhor e comprovar, por meio de documentos, que era filho de uma negra liberta — sua primeira vitória frente a um sistema opressor. A partir daí, iniciou seus estudos de forma autodidata, e o ofício de jornalista garantiu que o pão nunca lhe faltasse à mesa. Dedicou-se também ao Direito, libertando centenas de irmãos mantidos injustamente em cativeiro — muitos acusados de crimes contra os senhores —, e acabou especializando-se nessa área.

Alquimista das letras, Luiz Gama escreveu, dentre tantos outros, o célebre poema Bodarrada, que ironizava aqueles que se compraziam em negar a influência africana na formação da nossa identidade nacional. Ao admitir no poema que também era bode — termo pejorativo para designar os negros —, Gama foi alçado ao posto de primeiro escritor brasileiro a assumir explicitamente sua identidade negra, tornando-se, assim, o fundador da literatura de militância dos negros no Brasil.

Tânia Lins

A vida está repleta de homens e mulheres que almejam a mudança alvissareira. São pessoas que sentem a dor do outro e, por meio de ações humanitárias, transformam o cotidiano ao seu redor. Buscar nas pequenas coisas inspiração para as grandes mudanças é a ideia propositiva para um mundo melhor.

Que mais indivíduos conheçam e extraiam o melhor de tantas biografias inspiradoras, pois, muitas vezes, nos olhos do nosso semelhante é possível ver refletida a esperança de dias melhores.

| Tânia Lins é graduada em Administração de Empresas e pós-graduada em Língua Portuguesa, Comunicação Empresarial e Institucional e Jornalismo Digital. Atua há mais de dez anos na área editorial, com experiência profissional e acadêmica voltada à edição, preparação e revisão de obras, ao gerenciamento de produção editorial e à leitura crítica. Atualmente, é coordenadora editorial na Editora Vida & Consciência e coach literária. 

Edição: Leanderson Amorim 

Fonte: Betania Lins (Frida Luna Boutique de Comunicação)